quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Flagrei meu cunhadinho se masturbando cheirando minha calcinha

 (Uma história de masturbação)
 Meu nome é Ângela, sou morena clara, olhos verdes, 1,65m, 28anos, 58 kg muito bem distribuídos. Só quem é mulher sabe o quanto é difícil manter um corpo quase perfeito, porque, perfeito é impossível não é mesmo? São horas e horas de muito sofrimento em academias e de longas caminhadas, sem contar os regimes e outros truques para disfarçar novos defeitos que o tempo impiedosamente nos ?presenteia?. Casei muito jovem com Carlos mesmo contra a vontade dos meus pais. Estava começando meu curso de medicina. A construtora como de praxe não cumpriu o prazo de entrega do nosso apartamento, e por insistência da minha sogra fomos morar com ela até o término da obra, sabe como é mãe, não quer ficar longe das suas crias de jeito nenhum. Confesso que fiquei meio receosa no início, mas aos poucos percebi que dona Anna era uma pessoa maravilhosa. Morávamos na casa Eu, Carlos meu marido, Dinho meu cunhadinho adolescente e minha sogra, já que meu sogro era falecido. Meu marido e minha sogra saíam cedo pro trabalho e só voltavam à noite. Carlos trabalhava em uma multinacional e minha sogra na época tinha uma loja de artigos femininos em um shopping na cidade. Dinho e eu estudávamos à tarde, então ficávamos nós dois na casa no período da manhã, salvo duas vezes por semana que vinha uma diarista para fazer a limpeza mais pesada da casa.

Ele quis,eu fiz!

Me chamo Angela,tenho 29 anos,sou casada há mais de 8,moro no sul do país.Desde que conheci o Jackson,minha vida sexual se transformou,aprendi coisas que eu nem cogitava fazer um dia com um homem e acredito que tudo que há de bom no sexo eu já fiz ou ainda farei com ele.Por amar meu marido de forma incondicional,não imponho limites para a completa satisfação dele.Certo dia,ele me confidenciou que alimentava a fantasia de me ter em companhia de outro homem,sem práticas homossexuais,mas com total dedicação de ambas as partes.Conversamos durante algumas horas e,munido de uma incrível capacidade de convencimento,ele conseguiu convencer-me de que tal aventura seria benéfica ao nosso relacionamento.Me dando a absoluta certeza de que jamais me cobraria qualquer coisa relativa a realização desta fantasia,ele ainda me deu o tempo que eu necessitasse para aceitar a idéia de me entregar para um homem que eu não amava,mas com o qual eu teria que ser a mesma mulher que sou para meu amado marido.Passei então a pensar profundamente no assunto e cheguei a conclusão que valeria a pena arriscar,já que ele jamais se negaria a realizar a minha fantasia,que era exatamente o contrário da dele.Sempre quis transar com uma mulher,mesmo gostando e dando total preferência para o sexo masculino.Não sou exatamente uma bissexual,mas tenho fantasias com mulheres e,claro que tudo que eu fiz ou venha a fazer um dia,Jackson estará sempre presente.Decidi que,por todo o amor que tenho pelo meu homem,eu faria tudo para melhorar ainda mais a nossa vida sexual que,convenhamos,é muito melhor do que um dia eu imaginei que pudesse ser.

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

A Namorada Japonesa

Felipe era muito amigo de Serginho, se conheceram no primeiro ano de faculdade e agora no último semestre, não tinham dúvidas que era amizade pra vida toda. Os dois tinham 22 anos e começavam à encarar a vida real, a vida verdadeira, feita de trabalhos, responsabilidades e cada vez sobrando menos tempo para brincadeiras. Apesar disso ainda estavam no auge do espírito jovem, mais do que isso, mantinham os hábitos de moleque...jogar videogame, ir no boliche, procurar vídeos de putaria ou comédia na internet, tudo isso ainda constava entre os seus passatempos nas horas de folga.Serginho era o mais avançado dos dois no quesito responsabilidade, recentemente havia se mudado com a sua namorada, Ayumi, para um pequeno apartamento. Com quase dois anos de namoro sério, decidiram que era hora de começar a viver juntos. Felipe por sua vez estava solteiro e um tanto confuso, saía de um namoro relâmpago que terminou de hora pra outra quando sua mina foi aprovada num concurso público, só que a vaga era pra desempenhar função no Amazonas, bem longe de São Paulo.

terça-feira, 5 de julho de 2011

Vi minha Namorada perder o cabaço do cuzinho

by Marcelo Macedo

Esta história é verdadeira e talvez vocês achem interessante, pelo menos é o que espero. Moro em Aracaju - SE, e tenho uma namorada de 23 anos, morena, olhos claros, 170, gata e gostosa, chamada Amanda! Não nego que sou muito ciumento, muito mesmo! Creio que todo cara que gosta de sua mulher certamente tem ciúmes. Ela gosta de usar uma roupa mais provocante, eu até deixo, acho que valoriza a mulher, só não pode apelar! Mas vamos ao Conto.Conheci Digão na academia e começamos a reversar entre os equipamentos e logo ficamos amigos, ele era gente boa e logo virou parceiro de putaria, pois pegavamos escondindos algumas meninas da academia. A medida que a amizade crescia e fala mais sobre o meu relacinamento com Amanda, minha namorada, ele dizia que eu tinha muita sorte pois ela era linda. O Problema é que Amanda é muito recatada na cama, ainda não chupava e muito menos liberava a bundinha pra mim, e eu ficava louco por isso. Quando contei isso pra Digão ele disse que iria me ajudar, bastava só levar a minha naorada para casa dele que iria rolar uma festa na piscina. Fiquei com um pé atráz, mas topei.

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Meu melhor amigo encheu minha namorada de Porra!

by Rinaldo

Olá, meu nome é Rinaldo, tenho 25 anos e moro sozinho numa casa grande e com piscina, o que vou relatar aconteceu comigo no final do ano passado. Namoro uma moça a mais de 2 anos, Luciana. Ela tem 22 anos e um corpo de deixar qualquer homem maluco. Ela é loira, cabelos compridos e olhos claros, tem as coxas bem grossas e um bundão maravilhoso, seios médios e a buceta grande, porém apertadinha. Nosso namoro sempre foi gostoso, com muitas brincadeiras durante o sexo e muitas inovações. Nunca deixei que caísse na rotina. Na maioria dessas brincadeiras, fantasiávamos mais uma pessoa transando com a gente; às vezes mulher e outras vezes um homem. Ela tinha essa fantasia de trepar com dois homens ao mesmo tempo e eu também já curtia muito a idéia. Bem, aconteceu que um dia convidei o meu melhor amigo, Sérgio, para ir à minha casa num domingo. Faríamos um churrasquinho e colocaríamos o papo em dia, já que fazia tempo que não nos víamos pois ele se mudara para outra cidade. Estaríamos somente nós três: eu, Sérgio e a Luciana. Eu sabia que Sérgio tinha tesão pela Lu, já que éramos amigos há muito tempo, sempre comentávamos sobre ela e ele tinha total liberdade de falar o que quisesse. Falava mesmo abertamente sobre a bunda, os peitos e a buceta da minha namorada, mas ele sabia que eu não me importava. Até gostava de ouvi-lo falar dela. Chegando então o domingo comecei a preparar tudo quando Luciana chegou. Mais ou menos às 10h estava tudo pronto e ela foi trocar de roupa, então eu sugeri a ela que colocasse um fio-dental.

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Relaxa, ele sempre quis ser corno !!

by Virando Corno

Já estávamos casados há uns 10 anos, quando comecei a sentir uma vontade muito grande de assistir minha esposa transando com outro homem. No início, toda vez que eu pensava nessa possibilidade, me reprimia profundamente, mas também me sentia cada vez mais excitado em pensar nela chupando e gemendo na vara de outro macho. Como começamos a namorar ainda muito jovens, segundo ela mesma costumava afirmar, eu fui o único homem na vida dela. Aproveitando então este gancho, tentando explorar uma possível curiosidade dela em relação a outros homens, criei coragem e contei a ela que tinha a fantasia de vê-la transando com outro homem, e de preferência, bem-dotado, já que meu pau é modesto, 15,5x4 cm, e a boceta dela é bem avantajada. Quando ela percebeu que eu estava falando sério, começou a brigar comigo, dizendo que eu já não a amava mais, que queria dividi-la com outro e coisas do gênero, sem contar que ficou uns 15 dias sem conversar comigo. Diante da negativa tratei de arquitetar uma forma de convencê-la gradualmente, então comecei a pegar filmes pornô cujo enredo era de mènage masculino, e com atores sempre bem-dotados, depois dei a ela um vibrador daqueles com saco e tudo de 21x6 cm. No início ela não quis nem saber do vibro, mas com muito papo e jeitinho, ela concordou em experimentar... na primeira vez acho que foi um pouco dolorido, pois o vibro é bem grosso, mas com o tempo ela foi se acostumando e .... gostando!

A Namorada Malandrinha

by Namorado da Malandrinha

Essa história se passou alguns meses depois, morava numa cidadezinha no interior do Paraná. Como eu já me sentia um sábio na arte do amor e da conquista, parti para por em prática o meu aprendizado. Na cidade havia uma danceteria, onde a meninadinha se reunia nos finais de semana. Chegando lá vi uma menina maravilhosa. Corpo de deusa, uma mini mini-saia que revelava suas coxas deliciosas, seios médios, e uma boca deliciosa, lábios carnudos e apetitosos. Nunca a havia visto por ali e mais depressa que nunca procurei saber quem era. Disseram me que era nova na cidade e que seu nome era Angela. Então eu me aproximei e ela se mostrou bastante receptiva, o beijo rolou naturalmente, com todo o fervor e inexperiência de dois adolescentes. Acabei levando-a para casa e no caminho conversávamos sobre várias coisas. Quando chegamos no portão da sua casa ficamos num lugar um tanto escuro, pois o poste perto dali não iluminava direito aquele parte da rua. Enquanto nos beijávamos eu comecei a passar a mão na sua bundinha e pra minha surpresa e tesão ela não reclamou, então fui mais ousado e enfiei a mão esnte suas pernas, a sua mini-saia já mostrava a calcinha branca que usava por baixo.

Irmã Zelosa

by Irmã Zelosa

A história que eu vou contar é um pouco forte, mas foi uma experiência que mudou a minha visão do sexo. Na época eu tinha acabado de fazer 18 anos e as meninas da minha turma só falavam em sexo, como os meninos eram e como se fazia sexo. Nessa idade o desejo vai aparecendo devagar, e eu comecei a reparar no meu corpo; meus seios já estavam grandinhos e minha bucetinha já tinha pelinhos loirinho como eu. As meninas falavam de seus namoradinhos, de como eles queriam apalpar seu seios, e como o pinto deles ficavam duros. Eu pensava naquilo a noite e a minha bucetinha começava a ficar molhada, com o tempo comecei a notar que meu corpinho começava a perturbar meu irmão mais novo de 18 anos, eu comecei a reparar que ele ficava olhando meus peitinhos quando eu estava de camiseta larga sem soutien. Uma tarde eu fui tomar banho, e senti que ele estava espiando pelo buraco da fechadura, não deixei que ele percebesse nem me visse, mas comecei a gostar daquilo.

Traído pelo melhor Amigo

by Corno Tranquilo

Isso me aconteceu a umas 2 semanas e até agora não sei o que fazer, sempre pensei que isso acontecesse comigo, eu agiria de forma até violenta, mas quando aconteceu, fiquei sem ação, e estou assim até hoje. Mas vou contar o que ocorreu. Tenho 35 anos e sou casado com uma linda mulher de 28 anos, que além de ser muito bonita de rosto, tem um corpo que chama a atenção de todos pela beleza de suas formas. Digamos que ela se chame Flávia. Tudo ia muito bem em nossa vida, até aquela tarde. Eu havia saído após o almoço, retornando ao trabalho. No caminho o pneu do carro furou e verifiquei que o estepe também estava murcho. Liguei para o trabalho e resolvi voltar para casa de ônibus pois não estava muito longe de casa. Ao chegar vi estacionado na porta de minha casa o carro de meu melhor amigo, Paulo, amigo de muitas farras desde nossa adolescência. Apesar de saber que ele tinha conhecimento que à essa hora eu estava no trabalho, não pensei em nada demais, e até lembrei que ele poderia me ajudar com meu carro. Abri a porta despreocupadamente e ao entrar ouvi vozes vindas da sala de estar. Fui chegando naturalmente e já ia me anunciar quando vi que Paulo tinha uma das mãos de Flávia entre as suas. Achei que não deveria surpreendê-los daquela forma , pois seria constrangedor. Aguardei um instante e então percebi que ele estava tentando seduzí-la. Estranhamente, em vez de entrar na sala e expulsá-lo de minha casa, até usando de violência, fiquei paralizado e sem ação. E me escondi atrás de umas cortinas que haviam na entrada da sala. Eu não entendia minha reação.

segunda-feira, 28 de março de 2011

Vi minha mulher como uma verdadeira atriz pornô

por Marido Ousado

Este fato que relatarei ocorreu finalmente após anos e anos de fantasia. Acho que de tanto assistir a filmes adultos no canal Sexy Hot, foi surgindo um fetiche, uma fantasia que muitos possuem, mas não admitem, dada a sociedade na qual vivemos.

O tal fetiche é o seguinte: transando com minha mulher, vinha imaginando ela dando pra um outro cara mais bem dotado do que eu. Olha que eu tenho 19,5 centímetros de pau, que já não é pouco.

A fantasia foi nos levando para salas de bate-papo. E numa delas, conversei com um cara que tinha um membro de 23 centímetros. Quando chamei-o, mesmo on line, para uma conversa mais apimentada, minha gata até se assustou, mas no fim gostou e ficou com muito tesão e entrou no clima da conversa, dizendo-se ali, vendo aquela foto, que gostaria de ter aquela pica toda enterrada na sua bucetinha.

Envie Seu Conto

Envie seu conto para o nosso email:
sexcontos@gmail.com
 
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios